• Jose Amorim de Andrade

Coberturas não aderentes

São curativos cuja função principal é proteger os tecidos do leito das feridas contra eventuais danos que possam ser causados por determinados curativos. Sabemos que as gazes, habitualmente utilizadas, aderem firmemente ao leito das feridas. A retirada dessas gazes provocam o que é comumente chamado de desbridamento não seletivo: ou seja, podem trazer consigo, além dos debris indesejáveis, elementos necessários ao processo cicatricial. Outros curativos, tais como carvão, espumas, etc, podem também provocar danos semelhantes.

A interposição de coberturas não aderentes tem, portanto, a função de proteger o leito das feridas contra as eventuais agressões que possam ser provocadas no momento da troca dos curativos.

A cobertura não aderente ideal deve apresentar as seguintes características:

  1. facilidade de adaptação ao formato do leito ulcerado bem como à topografia da lesão (Fig.1 e 5)

  2. fácil de aplicar sobre a ferida (Fig.2)

  3. pode ser removida com facilidade, sem provocar trauma e com o mínimo de dor (Fig.2)

  4. não deixa resíduos no leito da ferida

  5. não provoca danos à pele do entorno nem traumatiza o leito; pode ser usada em peles frágeis e friáveis

  6. permite que o exsudato se exteriorize para o curativo secundário

  7. permite que componentes do curativo secundário interajam com a ferida (Fig. 3 e 4)

Regra geral essas coberturas são compostas de algodão, acetato de celulose ou  polietileno; algumas contém petrolato, outras são siliconizadas, vaselinadas ou parafinadas; todas elas mantendo a característica comum de não aderência ao leito da ferida.
 
Quando utilizar

As coberturas não aderentes, em princípio, podem ser utilizadas na grande maioria das feridas. É uma escelente escolha como a primeira camada de contato com a ferida na medida em que minimiza o trauma por ocasião das trocas.
Não se aplicam em feridas muito fundas ou cavitárias, situação em que podem perder a sua função principal ao migrar para o interior da lesão.
Podem perder sua utilidade e função em feridas muito exsudativas. Considerar que o exsudato abundante pode migrar pelas malhas da cobertura para a região de pele sadia e propiciar maceração.
Os casos de reações alérgicas ao produto são extremamente raras. 

Figura 1 – Adaptic (3M)- malha não aderente de acetato de celulose impregnada em emulsão de petrolato; acomodada com facilidade em ferida de coto de amputação transmetatarseana. Sua malha tem poros bem pequenos mas que permitem a passagem do exsudato e trocas com os componentes de coberturas sobrepostas.

Figura 2 – Lomatuell H (Lohmann&Rauscher) – é uma cobertura não aderente em algodão impregnada com parafina, de malhas mais largas que o produto anterior.

Como as demais, se ajustam confortavelmente às topografias mais irregulares.





As três imagens acima mostram a oportuna possibilidade de combinação com outros tipos de curativos e coberturas.

Na imagem da esquerda está sendo colocada uma cobertura de carvão ativado com prata. Na imagem central vemos a associação com uma cobertura de alginato com prata. Os poros da malha não aderente permite os trocas de elementos e substância que migram pelo exsudato para o leito das feridas.

Uma interessante e oportuna invenção da empresa Acelity é o Adaptic Digit, muito útil para aplicação em feridas envolvendo os dedos das mãos ou dos pés, como mostrado na figura à direita.



Ao lado alguns produtos dessa categoria com os quais já tivemos alguma experiência:


  1. ADAPTIC e ADAPTIC TOUCH(3M, Inc)

  2. ADAPTIC DIGIT(3M)

  3. LOMATUELL (Lohmann&Rauscher)

  4. JELONET (Smith & Nephew)

  5. CURATEC AGE 30 RAYON (Curatec)

#lohmannamprauscher #adapticdigit #adaptic #lomatuell #coberturanãoaderente #curatecage #acelityKCM #3M #jelonet

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Facebook ícone social

© 2023 por Medicina Alternativa. Orgulhosamente criado por Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now