Feridas crônicas por uso de HIDROXIURÉIA

A HIDROXIURÉIA (HU) é um agente antineoplásico comumente usado em diversas enfermidades mieloproliferativas, algumas neoplasias, anemia falciforme e até mesmo em psoríase.

 Muito embora costume ser bem tolerada, a droga  está associada a muitos efeitos colaterais cutâneos, entre eles a formação de ulcerações nos membros inferiores. A correlação patogênica entre o uso da HU e as lesões cutâneas ainda não está suficientemente esclarecida.

O Dr. Kazuhiro Kikuchi e colaboradores citam os seguintes aspectos multifatoriais que podem estar contribuindo para a formação das úlceras:

  • oclusão da microcirculação pela vasculte leucocitoclástica (3);

  • oclusão da microcirculação por microtrombos decorrentes da desregulação plaquetária;

  • efeitos tóxicos cumulativos na camada basal da epiderme pela inibição da síntese do DNA (4);

  • traumas mecânicos repetitivos em topografia vulnerável, tal como a região maleolar (6).

Uma das características dessas úlceras é o componente doloroso relatado por seus portadores, levando à necessidade de drogas antálgicas mais poderosas.

Nos casos relatados e que foram submetidos a estudo histopatológico de biopsias o resultado apontava para a presença de vasculite dos pequenos vasos da pele. O exame clínico não mostra alterações arteriais ou venosas significativas. Portanto, os pacientes não apresentavam enfermidades vasculares associadas e que pudessem estar na etiologia das feridas.

 

Apesar dos múltiplos trabalhos publicados constatando essa relação do medicamento com o aparecimento de úlceras nos membros inferiores, curiosamente não encontramos a citação desse efeito adverso na maioria das bulas do medicamento.

A interrupção do uso da droga não é obrigatória para a cicatrização dessas feridas. Entretanto, quando a evolução do tratamento com curativos adequados não é satisfatória, a descontinuação da HU pode se tornar mandatória.

 

Na realidade, a resposta ao tratamento tópico costuma ser muito pobre(8). Na maioria dos trabalhos publicados, a descontinuação da HU foi considerada fundamental para o bom resultado final da cicatrização. Cerca de 80% das feridas cicatrizaram com esta conduta.

Relato de caso:

 

Nas imagens ao lado vemos o caso de paciente, sexo feminino, 69 anos.

As feridas surgiram há aproximadamente um ano após pequenos traumas. Vinha fazendo curativos com pomada à base de colagenase e evoluindo de forma desfavorável.

Relata uso de HIDROXIURÉIA para tratamento de trombocitose há sete anos na dose alternada de 1g e 1,5g diariamente.  Faz uso também de sinvastatina 20, atenolol 25 e hidroclorotiazida prescritos pela cardiologia.

Sua queixa principal e que afeta sua qualidade de vida é, além da presença das feridas bilaterais, a dor que, de tão intensa, a impede de dormir satisfatoriamente.

Refere algum alívio com a ingestão oral de tramadol 50.

O tratamento foi programado sem a suspenção da HU por contraindicação do serviço de hematologia. 

A abordagem das feridas se deu com curativos semanais, desbridamentos sequenciais (de inicio mecânico e, na sequência autolítico), hidrogel, coberturas não aderentes e absorventes, além da terapia compressiva para controle e conteção do edema.

A última imagem mostra a cicatrização completa da ferida meleolar externa do lado direito.

leituras que recomendo: 
 
  1. [Hydroxyurea-induced leg ulcers in patients with chronic myeloproliferative disorders].Olesen LH, Pedersen BB.Ugeskr Laeger. 2001 Dec 3; 163(49):6908-11.

  2. Leg ulcer in a patient associated with hydroxyurea therapy.Dissemond J, Hoeft D, Knab J, Franckson T, Kroger K, Goos M.Int J Dermatol. 2006 Feb; 45(2):158-60

  3. Hydroxyurea-induced leg ulceration in 14 patients.Best PJ, Daoud MS, Pittelkow MR, Petitt RM.Ann Intern Med. 1998 Jan 1; 128(1):29-32

  4. Leg ulcers associated with long-term hydroxyurea therapy.Weinlich G, Schuler G, Greil R, Kofler H, Fritsch P.J Am Acad Dermatol. 1998 Aug; 39(2 Pt 2):372-4.

  5. Hydroxyurea-related leg ulcers in a patient with chronic myelogenous leukemia: a case report and review of the literature.Kato N, Kimura K, Yasukawa K, Yoshida K.J Dermatol. 1999 Jan; 26(1):56-62.

  6. Hydroxyurea induced perimalleolar ulcers.Saravu K, Velappan P, Lakshmi N, Shastry BA, Thomas J.J Korean Med Sci. 2006 Feb; 21(1):177-9.

  7. Kennedy BJ,Smith LR,Goltz RW. Skin changes secondary to hydroxyurea therapy.Arch Dermatol 1975;111:183.

  8. Recurrence of Hydroxyurea-induced Leg Ulcer After Discontinuation of Treatment. - Kazuhiro Kikuchi1, Ken Arita1, Yasuki Tateishi1, Masahiro Onozawa2, Masashi Akiyama1 and Hiroshi Shimizu. - Departments of 1Dermatology and 2Hematology, Hokkaido University Graduate School of Medicine, North 15 West 7, Kita-ku, Sapporo 060-8638, Japan. E-mail: kikku@med.hokudai.ac.jp

  • Facebook ícone social

© 2023 por Medicina Alternativa. Orgulhosamente criado por Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now